fevereiro 15, 2022

Como é Formado Seu Conceito de Deus?

by Paulo Melgarejo in Liderança

E estas palavras, que hoje te ordeno, estarão no teu coração; e as ensinarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te e levantando-te. Também as atarás por sinal na tua mão, e te serão por frontais entre os teus olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa, e nas tuas portas. Deuteronômio 6:6-9

Uma das perguntas mais recorrentes que os jovens me fazem é: Serei salvo? Um dia, Martin, depois de um culto jovem, ficou até o final para falar comigo. Notei que ele estava triste. Ele perguntou: “Pastor, como posso estar seguro de minha salvação?” Minha resposta foi (talvez como outros fariam): “Se você acredita em Jesus e O aceita em seu coração como Salvador, já está salvo por Sua graça”. Em seguida, perguntei: “Você é batizado?” Ele respondeu que sim. Foi então que ele formulou a pergunta que realmente queria fazer. “Como posso ser salvo sendo Deus tão exigente?” No decorrer da conversa, eu me dei conta de ele havia sido criado em uma família muito rigorosa, especialmente nas questões espirituais, e isso levou Martin a sentir Deus como um ser duro, severo.

Fiquei muito interessado nesse assunto. Lendo um pouco mais sobre o tema, descobri que nossa percepção de Deus depende muito de nossa família, especialmente da influência que nossos pais exercem sobre nós nesse aspecto. Provavelmente no futuro você tenha filhos, e quando isso acontecer, em seus primeiros anos, eles verão Deus através de você, assim como você O viu em seus próprios pais.

Falando sobre a educação de Jesus, a Bíblia menciona o seguinte: “E crescia Jesus em sabedoria, e em estatura, e em graça para com Deus e os homens” (Lucas 2:52). Nesse contexto, Ellen White, no livro O Desejado de Todas as Nações, capítulos 7 e 8, nos mostra como Maria amavelmente ensinou as Escritura a Jesus. Ela Lhe explicou a bondade de Deus, quão majestoso Ele é e quão perfeita é Sua Lei. Ao ler profundamente, também percebemos que Maria fez questão de que Jesus Se desenvolvesse de maneira saudável. Desse modo, sem dúvida, Jesus via o caráter de Deus em Sua mãe. Maria é um lindo exemplo que nos convida a fazer o mesmo: conduzir as novas gerações pelas “veredas da justiça” (Sl 23:3), e fazer como aconselha o apóstolo Paulo: “[…] aproveitem ao máximo todas as oportunidades. O seu falar seja sempre agradável e temperado com sal, para que saibam como responder a cada um” (Cl 4:5, 6, NVI).

Dona J Habenicht, em seu livro Como ajudar seu filho a amar Jesus, no capítulo “Deus e a criança”, menciona o seguinte: “A maioria das crianças desenvolve suas ideias sobre Deus desde a tenra infância, principalmente a partir do relacionamento com seus pais… Filhos de pais autoritários e dominantes tendem a ver Deus como um juiz castigador. Pais permissivos tendem a ter filhos que vêem Deus como um doador de presentes, que faz chover bençãos e não espera nada deles. Os filhos de um lar negligente veem Deus sentado em um trono muito acima do clamor das necessidades diárias. No entanto, pais com autoridade persuasiva tendem a representar Deus como um amigo celestial, acolhedor, mas também protetor e ajudador quando se está em problemas”.

Dessa maneira, ao chegar à adolescência e à idade adulta, seu conceito de Deus é o resultado de uma mistura de experiências que você teve com seus pais, o que aprendeu em seu estudo da Bíblia e sua experiência como membro da igreja. Infelizmente, muitos, por não terem uma criação ideal, somada a más experiências de vida e de igreja, podem dar um conceito errado de quem é Deus, e se não percebermos isso, podemos repetir o padrão com as novas gerações. Lamentavelmente, isso pode ser mais acentuado ainda quando há problemas no lar, como divórcio e diversas formas de abuso.

Sobre esse tema, é preciso reconhecer que, como jovem, você também recebe influências externas que repercutem em seu comportamento e atitudes. Um estudo diz que, para que os jovens se mantenham firmes na fé, é importante que eles contem com um lugar seguro para expressar suas dúvidas e preocupações sobre as Escrituras e sua própria fé. É muito importante que você conte com adultos sábios que lhe deem direção e orientação sobre os questionamentos que possivelmente você tenha em relação a sua fé. Sem dúvida, você deveria encontrar isso em dois lugares: seus pais e sua igreja. Quando eles falham, você acaba buscando entre seus colegas as respostas para seus questionamentos, formando, assim, um conceito que pode acabar se baseando mais em ideias pessoais do que bíblicas sobre quem Deus é para você.

Para começar a ter um verdadeiro conceito de Deus, requer-se sabedoria, mas não a que os seres humanos podem dar. Você precisa ler a Bíblia várias vezes para ter um conceito mais amplo de quem Deus é e como Ele age. Assim, o Espírito Santo agirá, dando-lhe maior compreensão. A mesma Bíblia revela como Deus usa exemplos claros para que nós, como seres humanos, entendamos intimamente como Ele é. Um dos textos que me impressionam por causa de sua profundidade e que pode ensiná-lo a conhecer o verdadeiro caráter de Deus é o encontrado no Salmo 27:10: “Ainda que me abandonem pai e mãe, o Senhor me acolherá” (NVI). Você também pode conferir outros, como Efésios 1:17, Colosenses 2:2; 1 João 3:1 e Salmo 103:13.

Além disso, Ellen White, quando jovem, se sentia aterrorizada com a ideia de não estar preparada para a vinda do Senhor e não tinha a melhor compreensão de Deus. Quatro anos antes de ouvir as pregações de Guilherme Miller, Ellen escreveu: “Eu havia pego um pedaço de papel em que se mencionava um homem da Inglaterra que estava pregando em seu país que a terra seria consumida aproximadamente trinta anos a partir dali. Peguei essa folha de papel e li para minha família […] Fiquei tão profundamente impressionada com o parágrafo do pedaço de papel que mal consegui dormir durante várias noites, e orava continuamente para estar pronta quando Jesus viesse” (Nota Biográficas de Elena G. White, p. 22tradução livre). Com esses pensamentos em mente, seus pais foram assistir a algumas palestras em Buxton, Maine. Foi lá que ela encontrou o consolo de que precisava e começou a compreender muito melhor o caráter de Deus. Depois disso, ela escreveu: “Me encorajou muito um sermão sobre o texto: ‘Irei ao rei, […] Se eu tiver que morrer, morrerei’ (Ester 4:16). A única coisa que era exigida do pecador, trêmulo na presença de seu Senhor, era que estendesse a mão da fé e tocasse o cetro de Sua graça para garantir o perdão e a paz […] Ainda ajoelhada em oração, meu fardo me abandonou de repente e meu coração ficou aliviado. No começo, me sobreveio uma sensação de alarme, e eu quis retomar meu fardo de angústia. Não me parecia que eu tinha o direito de me sentir alegre e feliz. Mas Jesus parecia estar muito perto de mim, e eu me senti capaz de me achegar a Ele com todos os meus pesares, infortúnios e tribulações, da mesma forma que os necessitados, quando Ele estava na Terra, se achegavam a Ele em busca de consolo. Eu tinha a certeza de que Jesus compreendia minhas tribulações e Se compadecia de mim” (Notas Biográficas de Elena G. White, p. 25 – tradução livre).

É claro que, apesar de a Bíblia estar à disposição para ser estudada livremente, o conceito de Deus pode variar. Isso se deve ao descuido de estudar superficialmente a Bíblia. É muito provável que transmitamos nossas convicções sobre Deus às novas gerações. Portanto, precisamos da sabedoria do Céu para encontrar o Deus da Bíblia, um Deus de amor e perdão, mas também de justiça.

Se a forma como lhe apresentaram Deus não foi a melhor, você deve fazer todos os esforços para que esse padrão não se repita naqueles que virão depois de você. Lembre-se que será sua responsabilidade falar-lhes da salvação encontrada em Cristo. Por outro lado, se a forma como lhe apresentaram Deus e a maneira como você aprendeu a conhecê-Lo foi apropriada, você também deve fazer todos os esforços para transmitir às próximas gerações quem é Deus.

Em conclusão, podemos dizer o seguinte:

  1. As exigências que Deus nos faz são muito simples: basta abrir o coração.
  2. Devido a nossa criação, poderíamos ter um conceito errôneo de Deus que nos afastasse do que Ele realmente é.
  3. A única forma de conhecer o caráter de Deus é mediante o estudo de Sua Palavra e a direção do Espírito Santo.
  4. Muitos já passaram pela experiência de não conhecer a Deus totalmente, até mesmo Ellen White, mas Deus pode nos iluminar para conhecer Seu caráter, personalidade e quão valiosos somos para Ele.

Por: Diego Zamora Muñoz

Ministério Jovem – Missão Sul Metropolitana do Chile/UCh

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *